terça-feira, 19 de novembro de 2013

Balada do Druida


Se eu fosse um druida louco
e às vezes sou
Coletasse no cimo das montanhas
o orvalho de certa flor
E misturasse na matéria dos meus sonhos
em noites de alegria
Ainda assim o efeito não seria
Tão abrasador
Quanto o que sai dos seus olhos
Domingo de manhã
Na hora que o sol bate
E de dentro você reflete
Um Universo que ninguém
Nunca decifrou